• Site
  • Twitter
  • FB
  • Tumblr
  • Inst
  • Youtube

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Bibliotecária realiza Oficina Cartonera no Vale do Juruá, Amazônia Acreana


'Cartoneras Populares' é a iniciativa multicultural da Magnolia Cartonera e do blog Bibliotecas do Brasil para ampliar o conhecimento das pessoas que são apaixonadas por incentivo à leitura, por bibliotecas, pela educação, pelo conhecimento partilhado, pelas artes e pela cultura, sobre as técnicas artesanais simples e práticas de publicação de livros com capas de papelão. Esse é o primeiro artigo do projeto que terá longa duração e será realizado durante todo o ano de 2020. 
Sempre foi o nosso desejo ampliar o conhecimento das pessoas sobre como é maravilhoso fazer livros com capas de papelão. 'Cartoneras Populares' teve impulso com o lançamento do nosso livro 'Sobre Livros Cartoneros' em agosto de 2019. Nós passamos os últimos 5 meses pesquisando, conhecendo e entrando em contato com várias pessoas que têm ideias semelhantes às nossas para lançarmos essa iniciativa de popularização da arte cartonera no Brasil. Para conhecer o projeto na íntegra leia esse post


Essa primeira matéria é uma parceria entre a Magnolia Cartonera, o blog Bibliotecas do Brasil e a bibliotecária Ana Paula Cravo Obeltz que atualmente mora em Cruzeiro do Sul no Acre. Esperamos que este artigo ofereça às nossas leitoras e leitores uma visão das oficinas realizadas para a confecção de cartoneras na Amazônia Acreana, e também ofereça a possibilidade de que mais pessoas se familiarizem com a encadernação artesanal cartonera de livros feitos com capas de papelão. A matéria foi escrita por Daniele Carneiro, com informações e fotos coletadas com a bibliotecária Ana Paula Cravo Obeltz e arte de Juliano Rocha

Foto: A professora Marluce Oliveira e a bibliotecária Ana Paula Cravo ensinam as crianças da Amazônia Acreana a fazer cartoneras com papelão, tinta guache, pincéis e as próprias mãos para criar arte em meio à natureza

De vez em quando surge uma oportunidade de fazer algo diferente e fora do convencional e nós precisamos nos abraçar com essas oportunidades, principalmente quando elas são em benefício de pessoas para quem a sociedade fechou os olhos, deseja esquecer, não leva em consideração e oprime negando seus direitos. E um desses momentos que a bibliotecária Ana Paula Cravo se deparou em sua vida, foi gerar a oportunidade de levar as cartoneras, esses livros tão criativos confeccionados com capas de papelão, para crianças, adolescentes e pessoas de todas as idades que vivem em uma comunidade ribeirinha na Floresta Amazônica. Essa é uma oportunidade incrível de colocar as crianças em contato com a criação artística e com a possibilidade real de que elas podem sim, criar seus livros por conta própria. Além de despertá-las para o fato de que elas podem ser responsáveis por contar e registrar as suas próprias narrativas de vida, escrevê-las, ilustrá-las e publicá-las através dos livros artesanais feitos com capas de papelão, uma matéria prima tão abundante no Brasil. Ter a natureza e o contato humano unidos nessa oportunidade de criação artística tornou esse momento ainda mais especial.

Há alguns meses, através do Instagram da Magnolia Cartonera, conhecemos a bibliotecária Ana Paula Cravo Obeltz do IFAC - Instituto Federal do Acre, que trabalha no campus da cidade de Cruzeiro do Sul. Ela conheceu as nossas cartoneras - livros artesanais feitos com capas de papelão - através do canal que mantemos no YouTube, onde desde 2015 partilhamos as etapas práticas do nosso processo de confecção e encadernação dos livros feitos com capas de papelão. Logo que conhecemos a Ana Paula, nós começamos a conversar sobre os livros cartoneros e trocamos ideias sobre materiais, tintas e sobre a confecção das capas de papelão. A Ana Paula então nos contou sobre os seus projetos para realizar oficinas cartoneras dentro do IFAC para alunos, alunas, professores e funcionários da instituição e também numa comunidade ribeirinha na Amazônia, no Parque Nacional da Serra do Divisor:

"Eu tomei posse como bibliotecária em julho de 2019 no IFAC e logo entrei em um grupo de estudos sobre educação ambiental, e estava idealizando um projeto de extensão com os povos da floresta com  o uso das cartoneras. Por isso entrei em contato com vocês da Magnolia Cartonera. E acabei sendo convidada para aplicar neste projeto, que consiste em trabalhar a educação ambiental nas escolas da Serra do Divisor aqui no Acre, que é uma Unidade de Conservação, um local que não tem luz elétrica nem internet mas tem muitas crianças para serem atendidas".

Foto: crianças e adolescentes da Escola Rural Municipal Josefa de Queiroz na comunidade Pé da Serra em Mâncio Lima no Acre

"A proposta inicial era fazer cartoneras com a comunidade. Tínhamos cartilhas com temas de desmatamento, recursos hídricos, fauna e flora, incêndios e queimadas. E acabei por propor de usar a mesma técnica cartonera nessas publicações. A primeira oficina foi realizada em outubro de 2019 com os 8 bolsistas do meu grupo de estudos mais 2 coordenadores no IFAC. Mas durante a pintura, outras pessoas viram a oficina acontecendo e pediram para participar. Foi muito lindo! E a oficina continuou no dia seguinte. Foi um sucesso, todos amaram!"


Foto: A primeira oficina cartonera realizada pela bibliotecária Ana Paula Cravo Obeltz ocorreu no IFAC - Instituto Federal do Acre entre alunos, alunas, bolsistas, coordenadores e funcionários. Cartilhas com temas de preservação ambiental foram encadernadas no estilo cartonero, com capas de papelão para serem levadas para as crianças da Serra do Divisor aprenderem a fazer também.

Oficina Cartonera na Serra do Divisor, Amazônia

Na foto: professora Marluce e a bibliotecária Ana Paula com as crianças da Serra do Divisor na Amazônia Acreana. A caixa de papelão foi transformada em uma tela para pintura, e em seguida ela será transformada em capas de livros cartoneros.

Entre os dias 23 e 26 de outubro de 2019, a bibliotecária Ana Paula desenvolveu a ação, a Oficina Cartonera no Vale do Juruá, realizada na Escola Josefa de Queiroz, que é uma escola rural municipal localizada na comunidade ribeirinha Pé da Serra no Acre. A comunidade é isolada e o acesso só é possível através de barco. A Ana Paula nos contou que para chegar até lá, a viagem tem duração de 7 a 10 horas de barco, dependendo do nível das águas do Rio Juruá. Nessa comunidade não tem internet e a energia elétrica só dura algumas horas através de gerador. Ana nos contou:

"O Parque é uma unidade de conservação ambiental, porém existem famílias de ribeirinhos que habitam aquela região. Quando assumi como Bibliotecária no IFAC, cheguei com o intuito de participar de projetos de extensão que trabalhassem com as comunidades indígenas, e trabalhar a parte de registros, visto que os povos indígenas passam sua cultura de forma oral, muitas em registro e idealizei fazer a forma de registro através de cartoneras".


Como foi realizada a Oficina Cartonera na Amazônia Acreana


"A ação foi incrível com a participação dos professores, professoras, alunos e alunas da escola. Apresentávamos uma situação problema sobre os temas das cartilhas ambientais e dávamos um tempo para eles registrarem suas percepções, através do desenho e/ou da escrita, e no último dia realizamos a pintura das papelões com a participação de todos". 


Foto: Pintura cartonera feita pelas crianças da comunidade Pé da Serra no Vale do Juruá, Acre

"O encantamento foi tão grande por parte das professoras, dos professores e da comunidade, que eles nos pediram para retornar com a oficina cartonera".


A oficina cartonera também foi para levar um pouco de alegria e esperança em dias melhores já que as crianças enfrentam uma realidade de isolamento e precariedade.


Ana nos contou: "As crianças da Serra do Divisor não têm cadernos, são poucas mesas e cadeiras na sala, não tem água, nos dias que estávamos lá não tinha merenda escolar. Às vezes falta combustível que é repassado pela prefeitura da cidade que o Parque Nacional da Serra do Divisor faz parte. E as crianças ficam sem aula. Com a falta de mobília, almofadas são usadas para que as crianças possam se sentar na sala de aula. Não existe biblioteca nem sala de leitura. Foi um pedido das professoras, essas crianças precisam de uma biblioteca".

Foto: A Escola Josefa de Queiroz na localidade de Mâncio Lima, no Parque Nacional da Serra do Divisor e o posto de saúde da comunidade logo ao lado. Para chegar à comunidade é preciso fazer uma viagem de 7 a 10 horas de barco.



Foto: Algumas das pessoas incríveis que fizeram esse dia tão bacana acontecer e as cartilhas cartoneras

Além da bibliotecária Ana Paula Cravo, também realizaram a oficina cartonera os coordenadores Wesley de Souza e Marluce Oliveira, os bolsistas Cleisson Lima, Eduardo Marçal, Leticia Oliveira, Maria Antônia Oliveira e Uiliane Pinheiro. A oficina teve a participação da comunidade escolar ribeirinha com 62 alunas e alunos do 1º ao 9º ano, 3 professoras, 1 servente da escola e 2 barqueiros, além de todas as pessoas que moravam próximas e foram chegando para acompanhar as atividades, lotando as janelas da escola.


Toda a comunidade se encantou com a Oficina Cartonera

Foto: Crianças na escola e os vizinhos nas janelas participando da oficina cartonera

A atividade foi proposta para ocorrer com as crianças e adolescentes da Escola Josefa de Queiroz, mas como a bibliotecária Ana Paula nos contou, toda a comunidade se envolveu de alguma forma com a oficina.

"Foi muito interessante, pois o barqueiro que nos acompanhava era super prestativo e queria participar. Também os vizinhos da escola começaram a chegar, ficaram nas janelas observando, um morador que estava de barqueiro nos 2 dias, veio falar comigo algumas vezes, todo emocionado, com os olhos cheios de lágrimas, agradecer pelo trabalho e falar que achou incrível a ideia das cartoneras, fez muitos elogios. Aí eu disse que ia deixar na pousada uma cartonera para ele. Ele me abraçou e disse que ia mostrar em casa para os filhos e para a esposa, que ia mostrar para todo mundo. 


Cartilhas Cartoneras

A Ana Paula faz parte de um grupo de estudos chamado 'Educação Ambiental nas Escolas do Parque Nacional da Serra do Divisor'.

"Estamos reunidos desde junho de 2019. Nossos 5 bolsistas montaram um seminário para discutir alguns temas como resíduos sólidos, recursos hídricos, flora e fauna, queimadas e desmatamento com as crianças. Após cada explanação elas desenhavam ou escreviam para a construção das cartoneras. Nós criamos cartilhas sobre este temas para serem utilizadas em sala de aula. As capas usadas nessas cartilhas foram as que fizemos na nossa oficina no IFAC. Também contruímos placas de sensibilização e lixeiras para a escola e para as pousadas da localidade. 


"As cartilhas foram encadernadas com as capas que fizemos na oficina no IFAC, para os bolsistas, mas vários funcionários quiseram participar e pintaram as capas também e foram encaminhadas para a comunidade, onde mostramos os livros encadernados como exemplo para as crianças. 
O conteúdo que foi criado na Serra do Divisor junto com as crianças será trabalhado em formato cartonera pelo grupo, mas a capa será feita com as pinturas das crianças. Foi muito interessante, pois cortamos as bordas das caixas e deixamos eles livres para pintar como se o papelão fosse uma grande tela de pintura e elas criaram livremente. A alegria e participação foi tamanha que eles pintavam cada pedaço de papelão que encontravam. Eu trouxe todo o material de volta para Cruzeiro do Sul e minha idéia é fazer bloquinhos e também uma exposição cartonera, quando tivermos a mostra do grupo de estudos".


Doação de material escolar para as crianças da Amazônia Acreana

Como a bibliotecária Ana Paula nos contou, as condições estruturais são muito precárias na Escola Josefa de Queiroz em Mâncio Lima, e os projetos de educação ambiental do IFAC com as crianças terão continuidade em 2020. E será extremamente benéfico para essa comunidade receber doações de material escolar novo, que será levado para as alunas e alunos da Serra do Divisor pela Ana Paula via IFAC. Se você tem material escolar para doar, livros infantis e tem condições de enviá-los pelo correio, entre em contato com a bibliotecária Ana Paula Cravo Obeltz através do email ana.obeltz@ifac.edu.br





Arrecadação de livros infantis e infanto-juvenis

Se você é uma escritora ou escritor infantil ou infanto-juvenil ou editora com livros para doar, entre em contato com a bibliotecária Ana Paula para enviar seus livros para essas crianças. Os materiais precisam ser novos ou estar em excelentes condições de uso, pois serão entregues diretamente para as crianças que já enfrentam uma realidade de não ter quase nada. É o nosso desejo que elas recebam apenas materiais novos e em excelentes condições de uso pois é o que elas precisam e merecem.

Elas precisam de:
— Livros infantis, cadernos, lápis de cor, canetinhas, papel sulfite, giz de cera, tinta guache, pincéis, e tudo o que for relacionado a material escolar para uso em sala de aula e em aulas de pintura.

Precisamos dedicar a nossa atenção e o nosso carinho para as realidades rurais e periféricas do Brasil que têm tantas crianças sem acesso ao mais básico, que estão sem acesso ao que é inquestionavelmente garantido na vida de muitas pessoas. Para todas as pessoas que podem se juntar a essa iniciativa e ajudar essas crianças a terem uma vida escolar mais confortável e melhor estruturada, colabore enviando algum material, livros infantis ou voltados para o público adolescente para a bibliotecária Ana Paula. Ela fará esse material chegar às mãos das crianças de Mâncio Lima na Serra do Divisor. Novamente o email para contato com a bibliotecária: ana.obeltz@ifac.edu.br

Se você não pode ajudar com materiais ou livros, colabore partilhando esse artigo com mais pessoas, para que as necessidades das crianças da Serra do Divisor no Acre sejam conhecidas por mais pessoas, e possamos gerar oportunidades de colaboração por parte daqueles que podem fazer a ajuda material chegar até elas.

*


Sobre Livros Cartoneros




Sobre Livros Cartoneros’ de Daniele Carneiro e Juliano Rocha, partilha a técnica de encadernação artesanal prática e simples da Magnolia Cartonera, e as etapas necessárias para transformar seus textos em um livro autopublicado, com capas feitas de caixas de papelão reutilizado. Neste livro nós elaboramos de forma escrita e ilustrada através de um poster duplo, todas as etapas de confecção dos livros artesanais feitos pela Magnolia Cartonera. O livro já está disponível em nossa loja online. Clique aqui para comprar. Apoie o trabalho de autoras e artistas independentes. Essa matéria  foi escrita e organizada por um casal de autores e artistas independentes. Visite nossa loja.

Matéria: Daniele Carneiro (Magnolia Cartonera | Blog Bibliotecas do Brasil)
Fotos: Cedidas pela bibliotecária Ana Paula Cravo Obeltz
Artes: Juliano Rocha (Magnolia Cartonera| Blog Bibliotecas do Brasil)
Email: contato@bibliotecasdobrasil.com

— Se você é uma pessoa revolucionando o mundo através de iniciativas como as mostradas nesta matéria, entre em contato com a gente através do email contato@bibliotecasdobrasil.com nos contando o que você faz, com muitas fotos e detalhes das suas ações :)

Contato

Fale com a gente


Localização

Portão - Curitiba/PR - Brasil

Email

contato@magnoliacartonera.com